Saiu na mídia

09/03/2020 14:41

Sem nenhuma governadora mulher eleita, MT tem 3 secretárias; Assembleia só tem uma deputada

Por G1 MT


 
Janaiva Riva foi a primeira deputada a compor uma Mesa Diretora na ALMT — Foto: ALMT/DivulgaçãoJanaiva Riva foi a primeira deputada a compor uma Mesa Diretora na ALMT — Foto: ALMT/Divulgação

Janaiva Riva foi a primeira deputada a compor uma Mesa Diretora na ALMT — Foto: ALMT/Divulgação

 

Desde de 1985 na Nova República, Mato Grosso não teve nenhuma governadora eleita pela população. Atualmente das 15 secretarias estaduais, apenas 3 são comandadas por mulheres. Dos 24 deputados federais, apenas um é mulher, Janaina Riva foi a parlamentar mais votada no estado, com mais de 50 mil votos.

De acordo com a Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão (Seplag), o estado teve 10 governadores a partir de 1985 na Nova República. Entretanto, Iraci Araújo Moreira, tomou posse como governadora após substituir o ex-governador Blairro Maggi em 2004.

As três secretárias estaduais são Rosamaria Ferreira de Carvalho Almeida da Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc), Marioneide Angélica Kliemaschewsk da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e Mauren Lazzaretti da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema).

Sobre leis que assegurem a ocupação de cargos por mulheres, o estado não tem nenhum regimento interno ou lei que estabeleça que cargos de lideranças sejam ocupados por mulheres. Segundo o governo do Estado, não é necessário uma regra para isso e explicou que a mulher tem ocupado cada vez mais o próprio espaço no mercado de trabalho.

 
raci Araújo Moreira, tomou posse como governadora após substituir o ex-governador Blairro Maggi em 2004 — Foto: Governo MT/Reproduçãoraci Araújo Moreira, tomou posse como governadora após substituir o ex-governador Blairro Maggi em 2004 — Foto: Governo MT/Reprodução

raci Araújo Moreira, tomou posse como governadora após substituir o ex-governador Blairro Maggi em 2004 — Foto: Governo MT/Reprodução

 

Na demonstração de ocupação de mulheres nos cargos públicos, atualmente dos 79.770 servidores ativos, 59% são mulheres. Já dos 6.212 cargos comissionados - os de confiança - 56% são ocupados por mulheres. Para o governo, esses números refletem o empoderamento feminino e o papel da mulher no mercado de trabalho e na sociedade.

Nos quase 185 anos da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), nenhuma mulher foi presidente da instituição e apenas uma vez ficou à frente sendo substituta. Em todos esses anos, apenas 14 cadeiras foram ocupadas por mulheres, e o total de homens somam 771 deputados federais já eleitos no estado.

Em 19 legislaturas, a Mesa Diretora teve 38 presidentes e nenhum foi mulher. Em maio de 2019, a deputada Janaina Riva (MDB) foi eleita vice-presidente do Poder Legislativo. Em todos os anos de história do Parlamento Estadual, nenhuma mulher participou da mesa. Janaina já chegou a comandar a Assembleia substituindo o presidente Eduardo Botelho (DEM).

 
 — Foto: ALMT/Divulgação — Foto: ALMT/Divulgação

— Foto: ALMT/Divulgação

Na época, Janaina declarou que acreditava que as pessoas não sabiam que uma mulher tinha chegado a ocupar a Mesa Diretora, enfatizando a presidência, posto maior na Assembleia. A deputada foi eleita com mais de 50 mil votos, sendo a parlamentar mais votado no estado.

 

“Este é o momento de as mulheres se sentirem representadas e valorizadas. Nós precisamos nos empoderar mostrar que temos competência, equilíbrio suficiente e capacidade para fazer a diferença”, disse Janaina na época.

Na história da Assembleia, a primeira mulher a ocupar uma cadeira foi Sarita Baracat, após a divisão do estado. A ex-deputada Oliva Enciso, foi a primeira mulher na década de 50 a se tornar parlamentar, quando os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul eram um único estado.

 

“Ainda existe muito machismo e muito preconceito no ambiente de trabalho político, porque é um ambiente extremamente masculino, ocupado na grande parte por homens. É uma dificuldade muito grande a mulher crescer politicamente nesses ambientes que tem essa composição. Porque os homens têm uma afinidade de gênero e isso favorece na probabilidade de homens serem nomeados aos cargos”, explicou a deputada.

Janaina explica que conciliar o cargo de deputada com as outras áreas da vida pessoal é mais difícil por ser mulher. Ela ainda avalia que para a mulher entrar na vida pública é muito mais difícil devido a exposição da vida privada. Culturalmente a mulher é mais prejudicada porque a vida do lar é associada somente às mulheres, explicou.

 
Entre policiais militares e civis, 1.766 são homens e 840 mulheres em MT — Foto: Lenine Martins/Sesp-MTEntre policiais militares e civis, 1.766 são homens e 840 mulheres em MT — Foto: Lenine Martins/Sesp-MT

Entre policiais militares e civis, 1.766 são homens e 840 mulheres em MT — Foto: Lenine Martins/Sesp-MT

Em maio do ano passado, foi criado à Câmara Setorial Temática (CST) para propor ações e medidas de combate à violência doméstica e efetivo direitos das mulheres em Mato Grosso. Com a parceria da ALMT e o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), produziram uma campanha publicitária, “Violência contra mulher, uma tragédia anunciada”, contando histórias reais de vítimas de violência com o objetivo de diminuir os assassinatos contra mulher.

 

Representatividade

De acordo com a Associação Mato-Grossense dos Municípios (AMM), nos 141 municípios no estado, apenas 16 tem prefeitas, o que corresponde a 11,3 % prefeituras ocupadas por mulheres. O estado também tem 21 vice-prefeitas.

Segundo a União das Câmaras Municipais de Mato Grosso (UCMMAT), o estado tem 1.216 mil vereadores e 190 vereadoras. Do total, apenas 13,5% são parlamentares mulheres. Como presidentes da Mesa Diretora, apenas 8 Câmaras de Vereadores tem mulheres no comando, percentual de 5,6%.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, dos 1.347 bombeiros militares, apenas 90 são mulheres. Dos 22 Comandantes de Unidades, apenas um é mulher. Porém, além das funções de comando de Unidades Operacionais há também mulheres em funções de chefia nas coordenadorias e diretorias da corporação, cujos critérios de ocupação de vagas seguem o critério hierárquico de antiguidade.

Entre policiais militares e civis, 1.766 são homens e 840 mulheres. Não há nenhuma legislação ou no regimento que estabelece reserva de vagas para mulheres em cargos de chefia, segundo a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp).

 
Das 141 prefeituras apenas 16 são ocupadas por mulheres em MT — Foto: Reprodução/MontagemDas 141 prefeituras apenas 16 são ocupadas por mulheres em MT — Foto: Reprodução/Montagem

Das 141 prefeituras apenas 16 são ocupadas por mulheres em MT — Foto: Reprodução/Montagem


Janaina Riva

Com essas experiências adquiridas, Janaina fundou e presidiu o PSD jovem de Mato Grosso, o segundo Estado a fundar militância jovem do PSD no país. 

Redes Sociais

Crie seu novo site Go7
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo